Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Palavras de Areia ®

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã. Poemas meus e desabafos de amor e de vida.

Palavras de Areia ®

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã. Poemas meus e desabafos de amor e de vida.

26.05.20

No fim.

Quando subir às estrelas...


Maresia

Quando o vento me elevar às estrelas,

Chorem-me de sorriso no rosto,

Lembrem-se da minha verdade,

Das piadas, das bocas, da amizade sincera.

Flores, girassóis e margaridas, sem fitas.

Vistam-me de túnica branca, couraça romana, descalça.

Toquem músicas, as minhas, do coração.

Leiam poemas, os desabafos, tão meus.

Declamem Sophia, Eugénio, Pablo, Pessoa e Torga.

Contem as nossas histórias, alegres, aquelas de chorar a rir.

Com as minhas cinzas plantem uma árvore,

Quero ser raiz, crescer, dar frutos e flor,

Tocar o céu, ouvir os pássaros e o silêncio profundo.

À brisa, peço que venha despentear-me os ramos,

À chuva, que me mate a sede e me lave as folhas,

Ao sol, que me aqueça com um abraço e me dê vida.

Na minha sombra, ao meu abrigo,

Que descansem os sonhadores, se amem os apaixonados.

No fim, de alma, serei estrela que brilha na constelação,

No fim, serei tronco de vida, beleza na terra.

No fim.

music-4775509_1920.jpg

 

1 comentário

Partilhar comentário:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.